Slow living e simplicidade voluntária (Blog)

Kay Nielsen

Cortesia da Biblioteca Nacional da Nova Zelândia

A minha paixão pelas histórias começou essencialmente com a palavra. Primeiro na infância com a palavra oral através da minha Mãe, exímia contadora de histórias e guardiã de um considerável repertório de contos tradicionais e populares. Na adolescência descobri o fascínio pelas histórias através da palavra escrita, a Literatura. E embora o Cinema também me tenha sempre cativado enquanto meio de narrar, sempre privilegiei o texto à imagem e considerei a palavra como o meio por excelência para contar histórias.

intro to permaculture - Massive Online Open Course - Oregon State University

Descobrimos a Permacultura inadvertidamente há cerca de uns cinco, seis anos atrás quando nos começámos a interessar por cultivar o nosso quintal e, consequentemente, a pesquisar intensivamente sobre jardinagem na Internet. Numa dessas pesquisas surgiu o termo "permacultura" e a curiosidade foi imediata.

IMG 20170506 104822

Andamos presentemente à descoberta das atividades do Centro de Educação Ambiental da Mata da Machada e Sapal de Coina. E estamos a gostar imenso. No fim de semana passado demos um passeio pela Mata e estivemos a pintar com aguarelas naturais (a partir de cenouras, mirtilos, morangos, espinafres, etc.). Foi divertido e educativo. Levámos a Avó e o Mini-Puto adorou. Nós também.

 20170427 161117

Quando se integra o hábito de restaurar a roupa no quotidiano, de vez em quando é necessário simplificar. Uns trabalhos são despachados a preceito, outros vão a eito...

O que queremos dizer com eco-ativismo?

Bem, queremos dizer que desejamos ir além de apenas partilhar no blog as mudanças que vamos implementando gradualmente no nosso quotidiano com vista à sustentabilidade. Tomámos consciência de que gostaríamos mesmo de inspirar outras pessoas a encontrarem o seu próprio estilo de vida mais sustentável e a compreenderem a importância do seu envolvimento nestas questões, quer possam fazer muito, quer possam fazer pouco. Queremos assumir com menos timidez a nossa defesa do ambiente e as nossas preocupações com a sustentabilidade. Queremos juntar-nos aos que nos inspiram à mudança. Dar o nosso pequeno contributo como o pequeno colibri que referimos no post anterior.