Carreiro de formigas sobre um muro branco

Durante algum tempo não lhes demos atenção (asneira!) … Começámos a interessar-nos quando elas decidiram teimar em entrar-nos pela casa adentro. O interesse aumentou substancialmente quando nos apercebemos que estavam a afetar significativamente as culturas na horta. Foi então que tomámos consciência do problema (mas não da sua dimensão!) e metemos o nariz nos livros e nos sites de agricultura biológica em busca de soluções naturais…

Primeiro tentámos afastá-las, plantando mentas aqui e ali, inundando os formigueiros com frequência, regando-os com vinagre, com vinagre e bicarbonato de sódio, com álcool com extrato de cravinho ou de hortelã… por mero acaso, aconteceu termos plantado batata doce perto dos formigueiros instalados ao longo do muro, vindo a descobrir posteriormente que é suposto funcionarem também como repelente (mas não funcionaram) … Quando nada disto deu resultados satisfatórios, resolvemos tentar mesmo erradicá-las, espalhando farinha e carolo de milho pelos carreiros (é suposto levarem para o ninho e tentarem comer, mas morrerem por não o conseguirem digerir, no entanto, na prática não lhe ligaram nenhuma), regando os formigueiros com água a ferver, com cal viva a ferver… nada!

Já fomos tarde. As formigas já tinham invadido o nosso quintal! Transformaram-no num  gigantesco formigueiro! São aos milhares! Parecem ser pelo menos três espécies diferentes. Algumas picam desalmadamente! E acho que todas se riram à gargalhada dos nossos esforços de erradicação! Neste momento é completamente impossível andar por lá sem botas.

Resultado? Estamos a recorrer aos inseticidas de que tanto queríamos fugir…Profundamente contrariados, pois investigámos as substâncias envolvidas na sua composição e são todas muito nefastas. Começámos com os iscos em caixinhas. Sem resultados. Agora passámos para o pó. E vamos experimentar também o granulado que elas transportam para o ninho. Em consequência, as crianças não têm podido usufruir do quintal enquanto tentamos controlar a praga. Também já não podemos dar erva ao coelho. O mais certo é estarem a morrer as joaninhas que já por lá andavam e que nos deixaram tão felizes e, se por lá passar alguma abelha, corre exatamente o mesmo risco…logo as abelhas que precisam tanto que as preservemos. Ficámos mesmo tristes. Triste Ainda mais, porque descobrimos que não somos os únicos com este problemas e que este cenário se multiplica por todos os nossos vizinhos!

Esta praga abalou mesmo a nossa decisão de nos mantermos afastados dos inseticidas e de praticarmos um cultivo o mais natural e biológico possível. Abalou, mas não desistimos. Provavelmente vai levar mais tempo do que desejávamos, mas gradualmente havemos de conseguir erradicar o seu uso do nosso quotidiano. Pelo menos com as lesmas e caracóis tem sido assim!

Com as formigas, parece que teremos que adotar muitas medidas preventivas para evitar que se sintam confortáveis no nosso terreno: melhorar a estrutura do solo, enriquecê-lo com muito mais matéria orgânica, mantê-lo mais húmido, evitar tê-lo a descoberto e impedir que fique compactado, introduzir muitas plantas repelentes (na próxima semana vamos fazer sementeiras de arruda, mas será necessário também propagar mais hortelã, hortelã-pimenta, poejos, alecrim, alfazema, salvia). Teremos também que estar muito mais atentos e alerta para não deixar que se multipliquem desta forma. Um pequeno formigueiro poderá ser benéfico, mas não pode crescer assim.

Entretanto, encontrámos mais uma receita natural que merece pelo menos ser experimentada, embora confesse, já com algum ceticismo. É uma calda fermentada à base de esterco fresco e açúcar mascavado que é suposto inundar os formigueiros e matar as formigas (será?). Agora temos que descobrir onde conseguir o esterco fresco. Vamos perguntar nas quintas aqui em redor, não deve ser difícil conseguir esterco de cavalo ou de vaca… também podemos experimentar com o que produzem as nossas galinhas, embora produzam pouco…

Estes são os últimos desenvolvimentos da nossa luta com as formigas, mas esta história não acaba assim… Se alguém por aí conhecer outros métodos naturais e eficientes para o controlo das formigas, por favor, não hesitem em partilhá-los connosco!

Guardar