Serenidade, simplicidade e bem-estar (Blog)

“Home is an emotional state, a place in the imagination where feelings of security, belonging, placement, family, protection, memory and personal history abide." -Thomas Moore

photo 2020 05 03 19 34 31

Há uns dias atrás, quando estava sol, descobrimos um jogo novo... Um jogo tão simples e tão divertido! O que nos rimos com esta macaca!

ghibli1Mais informção aqui.

Os filmes de animação dos estúdios Ghibli estão no Netflix. Para quem subscrever o serviço é um tesouro a não perder.

Cá em casa está nos planos para este confinamento. Um sofá, uma mantinha e bom cinema de animação. Tão bom.

20170912 1821351

Quase todos os anos prolongamos a vida das mochilas escolares. Este ano foi um deles. A mochila do Maxi estava impecável e não necessitou de qualquer intervenção. A mochila do Mini-Puto, embora tenha resistido bastante bem ao ano letivo, ainda assim tinha alguns danos pouco significativos que mereceram ser restaurados para prevenir estragos maiores.

DSCF2408

Sim, este post vem na sequência do anterior e vamos continuar a falar das ações da Ciência Viva no Verão em que participámos este ano. Neste caso, vamos levantar o véu sobre o que descobrimos relativamente a formigas e morcegos. Se têm crianças e jovens na Família, estas ações merecem toda a vossa atenção. O mesmo se aplica se trabalham na área da Educação e do Lazer com crianças e jovens. Mas estas ações têm interesse para um público mais vasto. Assim de imediato, vem-nos logo à mente o quão úteis podem ser para os horticulores e permacultores do nosso País.

20170724 110102

Pois foi, estivemos de férias. E como sempre a Ciência Viva no Verão fez parte do cardápio. Já vos dissemos o quanto adoramos a Ciência Viva no Verão? Sim, eu sei. Todos os anos repetimos o mesmo, mas é porque realmente nunca nos desilude. Graças a estas inciativas, descobrimos sempre algo de fantástico e surpreendente. Este ano, graças à ação Ciclo do Sal, descobrimos as Salinas do Samouco. Aqui tão pertinho e nunca lhes tínhamos dado a merecida atenção! Como é que podemos ser sempre tão cegos ao que nos rodeia?!