• Pelos trilhos da Grande Rota do Zêzere…

    Sinalética da Grande Rota do Zêzere a indicar caminho inadequado

    A ida à Cava que referimos no post anterior incluiu uma longa caminhada do Bravo, aldeia vizinha onde também temos raízes, até ao rio Zêzere. Apesar do clima naquele dia nos ter quase dado a ilusão de estarmos no outono, o passeio foi muito inspirador. A paisagem é soberba. E pelo caminho fizemos duas descobertas muito interessantes.

  • De regresso ao berço

    Árvore no topo de uma escarpa com parte do enraízamento à vista

    A Cava é uma pequena aldeia situada na freguesia da Madeirã, concelho de Oleiros, na Beira Baixa. Aí nasceram alguns dos nossos antepassados. Aí nasceu também uma parte de nós e algumas das raízes que sustentam o nosso ser e o nosso sentir. O nome da pequena aldeia vem-lhe da sua localização no fundo de um magnifico anfiteatro montanhoso. Em criança, ouvi muitas vezes ser-lhe feita a analogia à cova, quase como uma referência à morada final. Se a memória não me falha, julgo até que teria sido esse o seu nome inicial (terei de averiguar). Compreendo a alusão negativa. O relevo difícil, a desertificação do interior, a falta de oportunidades de trabalho e educação, os acessos outrora complicados, a vida dura… são inúmeros os fatores que para tal contribuíram. Compreendo a alusão, mas felizmente não partilho dessa perceção. Para mim a Cava não é a cova, nem a derradeira morada. É o berço.

  • A cumplicidade das árvores…

    Imagem de dois pinheiros altos, lado a lado.

    No fim de semana passado estivemos numa festa de aniversário na Quinta da Qura em Albarraque. Na Quinta da Qura funciona um Centro de Reabilitação com cavalos. Está instalada num espaço muito castiço e agradável que rentabilizam alugando também aos fins de semana e feriados a quem quiser realizar lá a sua festa de aniversário ou qualquer outro tipo de convívio.

  • Começámos as sementeiras

    Embalagens de queijo fresco usadas para as sementeiras na horta

    Cá em casa começámos as sementeiras no último fim de semana e temos adiantado todos os dias um bocadinho. As sementeiras são um excelente pretexto para reutilizar embalagens. Tínhamos imensas guardadas para este efeito, mas mesmo assim não devem chegar. Entre elas destaca-se uma quantidade generosa de boiões de iogurte, embora as nossas favoritas sejam as dos queijos frescos. São de um material mais resistente e duradouro e muito boas de arrumar nas bandejas de esferovite que também fomos colecionando para este efeito. Além disso, já trazem o buraquinho pronto! Piscar de olho 

  • Momentos doces… de leitura

    Foto de um execerto do livro O guardião das coisas pequenas de Begoña Oro

    Os livros e as leituras têm lugar cativo neste blog. Entre essas leituras, nesta fase da nossa vida destacam-se muito particularmente aquelas que fazemos com as nossas crias. Os momentos de leitura cá em casa são momentos de doçura familiar. Ler para eles e com eles é valorizado e prezado por todos, embora tenda a ser sobretudo uma cumplicidade entre mãe e filhos. E para mim como mãe, são momentos preciosos. Não o são meramente pelo seu valor pedagógico, embora o reconheça, claro, e saiba que são um dos motivos que os levam a gostar tanto de livros. Mas são preciosos principalmente porque nos permitem sonhar, rir e chorar juntos. Adoro que nos emocionemos juntos. São preciosos também porque nos permitem descobrir, aprender, refletir, conversar e são o ponto de partida para tantas outras partilhas valiosas. Para mim pessoalmente trazem também o bónus de me permitirem mergulhar novamente no universo da infância e do seu imaginário. Confesso: adoro literatura infanto-juvenil!

  • Ontem foi…

    Mão sob uma camélia branca na árvore

    …preciso dizer adeus ao Sr. M.

  • Ontem…

     

    …podia ter sido um dia perfeito…

    27012013786

  • Pantufas renascidas!

     

    Pés calçados com uns botins-pantufas com as solas restauradas

    O R. recebeu estas pantufas pelo Natal. A “sola” de tecido com relevos rugosos prometia transformá-las muito rapidamente em lixo. Bem dito, bem feito… uma semana de uso e começaram logo a surgir os primeiros buracos!